Páginas

quinta-feira, 7 de maio de 2009

São Gonção do Rio Preto

pendências deste post:
-.Mapa
-.Dados sobre a estrada para SGRP


Clique nas fotos para ampliar
Objetivos: Circuito Simples de São Gonçalo do Rio Preto (Cachoeiras Crioulo e Sempre-Viva, Forquila e Poço de Areia)
Ponto Inicial: Portaria do Parque Estadual
Distância Aproximada : 13km (total)
Cachoeiras alcançadas (total) : 2 + Poço de Areia
Altitude Inicial : [verificar]
Altitude Final : [verificar]
Altitude Máxima no percurso : [verificar]
Variação de Altitude da trilha : [verificar]
Passagens obrigatórias pela água : Sim (até o joelho)
Trilha bem demarcada : Sim
Perigo de perder : Sim
Guia Obrigatório no local: Sim
Dificuldade : Fácil-Média
Desbravadores: Ana, Diego, Fábio, Fredão, Melina, Tati, Wiliam, Daniel


Começamos o dia meio tarde.
Porque fomos dormir tarde. (Desbravadores saindo da linha! E olha que nem estávamos com violão ou bebidas!) (mas é porque na noite anterior ao primeiro dia da viagem tinhamos dormido, pouco muito pouco ou nada! Então... desculpas aceitas pra nós).

Deixamos as barracas montadas no Camping São Pedro porque voltaríamos para dormir lá (sabíamos que era possível dormir dentro do Parque Estadual de São Gonçalo do Rio Preto, porém, como algumas pessoas precisavam voltar para BH (leia-se eu) devido a trabalho, precisávamos voltar para Diamantina para que tal pessoa (eu) pudese pegar um ônibus de volta a BH (o resto da galera continuou viagem na segunda e na terça (que foi feriado pra eles, não pra mim).

Locomoção BH - Diamantina - São Gonçalo do Rio Preto
A logística praqueles que desejam se locomover de BH ao Parque Estadual de São Gonçalo do Rio Preto não é muito simples.

Algumas notícias: (As informações abaixo são válidas pelo menos até o momento de escrita desse post)

  • O Parque Estadual de São Gonçalo do Rio Preto não fica na cidade de São Gonçalo do Rio Preto (tem um pedaço de estrada de terra separando os 2. [verificar distância].)
  • Não há condução que leve até o Parque Estadual. Apenas carros particulares (ou táxis) chegam até lá.
  • Não há condução da cidade de São Gonçalo do Rio Preto até Belo Horizonte.
  • Pássaro Verde é a única empresa que leva de Diamantina - Belo Horizonte - Diamantina
  • Existe um ônibus que sai da cidade de Itamarandiba e passa por Diamantina as 12:00 (meia noite), horário bom pra quem quer aproveitar o dia todo em Diamantina ou arredores (no meu caso, aproveitei o dia em São Gonçalo e voltei tranquilo a Diamantina pra voltar com esse ônibus). Obs: Esse ônibus, apesar de passar por São Gonçalo do Rio Preto, não para na cidade! fique atento.
  • Existem ônibus que saem de Couto de Magalhães de Minas (cidade que fica entre Diamantina e São Gonçalo do Rio Preto) como alternativa.

São Gonçalo do Rio Preto - cidade
Chegamos na cidade, depois de [verificar distância] e visitamos rapidamente o coreto pra tirar algumas fotos, só pra constar! Depois viramos a direita pra ir de encontro com a estrada de terra.

Cidade de São Gonçalo do Rio Preto
(depois posto uma foto do coreto! melhor, ehauh)
[verificar dados da estrada]


São Gonçalo do Rio Preto - O Parque Estadual
Alcançamos a entrada do parque as 5 pras 11. Sabíamos da extensão da caminhada e sabíamos que nesse horário ainda era viável o passeio, porém, não contávamos com o porteiro nos dizendo:

Entrada do Parque Estadual
"O horário da última palestra para ir a Crioulo já passou.. vocês não podem ir a Cachoeira Crioulo."

Era hora de fazer o drama (precisávamos!) Como? Um grupo saído de Belo Horizonte, depois de enfrentar toda aquela estrada de terra ia aceitar não visitar a melhor cachoeira custo/benefício do local??

O porteiro não era dos chatos, então por rádio, negociou com os palestrantes para que fossemos as cachoeiras sem assistir a palestra. Nós, em troca, falamos que não íamos jogar lixo no chão e nem matar nenhum bicho (será que era isso que eles iam falar na palestra?)

Mas, dada a experiência, fica aí o aviso aos navegantes:

Para ir ao Parque Estadual de São Gonçalo do Rio Preto chegue antes das 11! (O parque abre as 7 da manhã, até o momento de escrita deste post.)

Depois da portaria, anda-se mais um pouco até chegar a casinha da palestra. Apenas paramos lá pra avisar que éramos o grupo que não ia assistir a palestra. Dado o sinal de ok, continuamo a estrada.. cerca de mais 3km [verificar dado] de estrada de terra até o que pode-se chamar de o centro do parque (centro no sentido que chega-se a um lugar onde tem um restaurante, banheiros e o local para camping.

Parênteses:
Deve ser bem legal acampar lá dentro, uma vez que, apesar de haver apenas duas cachoeiras facilmente visitáveis la dentro, pode-se gastar 1 dia inteiro só na cachoeira Crioulo que é beeem bacana (cenas da próxima seção). Mas.. não podemos acampar lá, por motivos de labuta no outro dia.
Fecha parênetses

Informações Gerais do Parque Estadual
O Parque não estava farofado e é muito bem cuidado.. não é porque tem restaurante e banheiros que é farofa. Nota-se também um cuidado muito grande pelas pessoas que trabalham lá dentro. O guia que nos levou, por exemplo, era um antigo morador da região, que vendeu suas terras para o governo, que transformou o local no parque. Vê-se que o cara tem prazer de trabalhar lá, e prazer em demosntrar o espírito de preservação do local até a morte!


Início da Trilha para as Cachoeiras

A princípio, a nossa turma se resiste a utilização dos guias (preferimos ir com as próprias pernas), mas , como nessa ocasião o guia era obrigatório, fomos com ele. Agora.. apesar dessa nossa resistência, foi muito legal ir com o guia, perguntamos bastante para ele, alem do que ele soltou informações valiosas:

-->nos informou direções de cachoerias que só ele conhece. Cachoeiras que não estão catalogadas no google Earth, nem em nenhum blog, nem no panoramio.. cachoeiras sem nome! (e pelo que ele disse, maravilhosas e difíceis de chegar). ok... deixinha pra voltar lá um dia né??? O problema é que temos que voltar lá e ganhar o guia, porque ele precisa ir com a gente (pra isso precisamos fazer um draminha básico e convencê-lo de que podemos fazer o passeio).

Sem mais delongas, começamos o passeio em direção a, primeiramente, Cachoeira do Crioulo

Trilha para Cachoeira do Crioulo
Existem dois caminhos para a Cachoeira, mas parece que o guia costuma chegar primeiro a Crioulo passando por cima e depois a volta faz por baixo, passando pelas outras atrações. Começa-se por uma descida fácil até chegar lá embaixo, onde ainda se tem o último resquício de civilização: um banheiro. A partir daí a trilha começa a subir. Bastante.

É uma subida cansativa mas recompensadora. Chega-se num mirante onde se pode avistar o Rio das Éguas: esse é o rio alimentado pelas duas cachoeiras que iríamos conhecer. O Rio das Éguas, depois , lá na frente, se encontra com o Rio Preto, o mais conhecido da região.

Lá do mirante o guia nos comentou de uma das cachoeiras "escondidas" que ficava beeem mais adiante, perpendicular a trilha que fícavamos (isso do outro lado do "cânion" (vamos chamar assim)) que estávamos avistando. Que vontade de ir nessa cachoeira escondida! Mas estávamos longe demais.. sem chance de cogitar tal possibilidade naquele dia.



Mirante no meio da Trilha para Cachoeira do Crioulo
(trilha por cima)

Depois do tal mirante, existe a possibilidade de descer diretamente para a cachoeira Sempre Viva, que fica mais perto da Sede do Parque (são 4 km, enquanto que a Crioulo fica a 6km da sede). Porém, como estávamos fazendo o caminho completo seguimos reto na trilha.

A trilha continua amena até quase o fim dos 6km iniciais, até que se chega num lote de pedras: dá pra sacar que ali estamos em cima da cachoeira. SSeguindo um pouco dá pra ter a vista de cima da cachoeira do Crioulo de cima, uma cachoeira de cerca de 15 metros [verificar dado]. De cima não dá pra ver a queda, mas dá pra ver o poço, que de cima parece deslumbrante.

Então o guia segue nos guiando (esse pedaço sem guia é complicado) porque como fica-se no que convencionei chamar de "lote de pedras" (imagine um grande campo de pedras... é difícil saber pra que lado tem que se ir. Existem infinitas possibilidades.. (sem guia, não que seja fácil se perder, mas é difícil achar o caminho pr achegar na cachoeira lá embaixo).

Com o guia foi fácil, enfim. Descemos e então começamos a pisar.... em areia. Areia branca.

Vista linda.

Cachoeira do Crioulo
O Poço
A paisagem da cachoeira imponente. Um poço muito grande e com água cor caramelo. Dificil estimar o tamanho (esquecemos de perguntar pro guia!) mas é grande. Tem uma largura quase maior que seu comprimento. É menor que o poço de Tabuleiro (Conceição do Mato Dentro) e talvez um pouco maior que o poço da Cachoeira de Capivara (próximo a Serra do Cipó).


Cachoeira e Poço do Crioulo

Possui muuuitos peixinhos pra te modiscar que ficam ali no começo do poço.

Como há muita areia no local, o poço do Crioulo é do estilo que vai afundando aos poucos, mas trata-se de um poço bem heterogêneo. Dado o tamanho, possui partes sem pedras, com pedras etc.

Uma peculiaridade desse poço (mas não sabemos se foi apenas naquele dia devido a condições do tempo) é que nadando, dava pra sentir a água ora quente ora fria (como se o poço fosse um grande tabuleiro de xadrez e cada quadrado tivesse a água em uma temperatura diferente) Bem diferente!


Água do Poço do Crioulo
Água caramelada com muitos peixinhos
O poço era bem grande, não deu pra analisar ele em toda a extensão. A esquerda ele possui uma grande pedra que chega a ficar próxima a queda. A direita possui muitas árvores e a água fica mais parada (e aí não dá muita vontade de nadar por lá) (isso porque a queda fica a mais a esquerda.

A Queda
Tem aproximadamente 20 metros e é muito bonita. Uma coisa bem diferente da queda é que ela cai em cima de uma pedra que fica na linha da superfície (normalmente, onde há queda de água, não tem pedra). Dá pra ficar em pé (mesmo!) embaixo da queda (que é bem forte).

Além da queda principal há uma quedinha (parece um cano que jorra água) no paredão esquerdo (provavelmente essa queda só aparece quando a vazão de água está média/alta, no que demos sorte ^^)

O guia falou que tínhamos meia hora pra aproveitar ali. Você acha que respeitamos esse horário né? hehehe

Destaque para um casal que havíamos visto enfrentando a trilha, mas deeeesde a portaria A PÉ. Eles nos alcançaram e depois (que nós fomos) eles ficaram lá, provavelmente aproveitando a la Cicareli (e agora que estou me tocando, eles estavam sem guia! ora bolas!)

Bem, depois de acho que cerca de 1 hora e 30 minutos fomos voltano pela trilha pela parte de baixo em direção a Cachoeira da Sempre Viva. Demoramos 1:15 pra ir de Crioulo até Sempre Viva. Importante destacar que a trilha até Sempre Viva é bem legal, por ser uma trilha pelas pedras, sempre seguindo o leito do Rio das Éguas. Vários poços (apesar de não termos tido tempo de nadar neles) e também várias pedras peculiares, que parecem estar apoiadas em pequenas pedrinhas. Bem legal!

Passagem da trilha entre Crioulo e Sempre-Viva
Pelo leito do rio

Cachoeira Sempre-Viva
O Poço

Bem, não tem! heauh.. Isso mesmo, uma cachoeira de porte pequeno/médio que não tem poço! Primeira vez que vi isso (que me lembre!) Na verdade tem poço, mas ele fica um pouco depois da cachoeira, isto é, não fica abaixo da queda (como quase sempre é).

Cachoeira da Sempre Viva
Sem Poço!

A Queda
A queda deve ter uns 10 metros [verificar dado] e é bem distribuída. Chega a ser bem forte também. O legal dela é poder "passear" em toda sua extensão, andando devagar por suas pedras escorregadias. Dá pra tirar umas fotos legais, já que dá pra ficar tanto em cima como embaixo da queda. Logo depois, mais abaixo, tem um poço relativamente grande mas que fica com bastante água parada (pelo menos nessa época que fomos) e com espuma, o que dá aspecto de que é uma água suja, mas muito pelo contrário!

Cachoeira da Sempre Viva
(parte de cima)
Caminho de VoltaFicamos em Sempre Viva pouco tempo como castigo por ter gasto muito tempo em Crioulo (mas valeu muito a pena!) e continuamos voltando para a Sede (ainda faltavam 4,5km, bastante coisa).

A paisagem até a sede continua sempre muito bonita e a trilha de volta é sempre pelo leito do rio. Não é difícil, apenas em dois momentos exige um pouquinho de atenção. O primeiro ponto é logo depois de sair da cachoeira tem um lugar que é preciso pular um pouco para a pedra debaixo (tomando cuidado é fácil) e mais pro fim (chegando no Poço de Areia) tem que passar pela água (bate até o joelho mais ou menos).

ForquilhaA Forquilha (1,7km da sede) é o lugar da trilha que dá pra ver o encontro dos 2 rios (não me lembro se tem algum terceiro.. talvez tenha): das Éguas e o Rio Preto. Não tem um lugar pra ficar, é só pra apreciar a vista mesmo. Foi nesse ponto que o guia nos mostrou o caminho das pedras (literalmente) para outra cachoeira bem difícil de se chegar. Mas lógico que ele nem cogitou a ideia de irmos lá.
Seguimos em frente.

Poço de AreiaO Poço de Areia fica a aproximadamente 1,2 km da Sede e se parece a uma praia. Desnecessário dizer que é um ótimo lugar pra gastar um tempinho bom, coisa que não fizemos porque não tinhamos mais tempo (nem sol!). É uma areia branca e muito limpa ligado a um poção gostoso de nadar. Na areia é interessante olhar as árvores (algumas ficam enterradas até os galhos e outras ficam descobertas até a raiz). Enfim, todos os lugares visitados apresentaram características bem peculiares.

Poço de Areia - Fim do dia
Demoramos 37 minutos do Poço de Areia até a sede chegando exatamente dentro do tempo esperado: as 17:30. Logo, é possível passar um excelente dia, mesmo chegando um pouco tarde no parque. Mas vale muito a pena chegar mais cedo pra aproveitar por igual todos os 3 pontos de parada (Cachoeira do Crioulo, Cachoeira da sempre Viva e Poço de Areia, além dos pontos de parada expresso (mirantes e Forquilha).

SGRP fica na história pra nós. E nós na história do guia Dineu [verificar nome] que quase nos matou quando cogitamos pescar peixes, derrubar árvores e jogar lixo no chao do parque. Sério, não brinque assim com eles, eles te fuzilam com os olhos! Bom pra natureza :-D


Números:
[em construção].. em breve
Área do parque: 12.114 hectares


Dicas:
-Não existem ônibus que levem ao Parque Estadual de São Gonçalo do Rio Preto.
-A entrada do parque é de apenas R$ 3,00 (inclui palestra + guia).
-Chegue no Parque antes das 11 (de preferência as 7 da manhã pra aproveitar muito). Se chegar depois das 11 não poderá visitar a Cachoeira do Crioulo, a melhor do local.
-O guia é obrigatório para os passeios. (não se paga nada)
[em construção..]

Resources:

VídeosCachoeira do Crioulo
Cachoeira da Sempre Viva
[em breve mais..]

FotosAqui

Mapa
[em construção..em breve]

Um comentário:

claraeyer disse...

Obrigada pelas dicas!

Os Caçadores de Cachoeiras

Os Caçadores de Cachoeiras